A Incrível História das Criptomoedas

Ler 4 min
Pontos Principais:
— A principal premissa das criptomoedas é que elas são completamente descentralizadas. Em outras palavras, não há entidade superior, como um estado ou banco central, controlando como ela é criada e gerenciada. Ela é feita para as pessoas, pelas pessoas.
— Isso é o que Satoshi Nakamoto alcançou quando o Bitcoin foi lançado em 2008: a rede é executada e mantém valor de forma autônoma
— O Bitcoin foi a gênese das criptomoedas e apenas o começo da história. A chegada da Ethereum trouxe os contratos inteligentes, o que possibilitou a próspera indústria de DeFi que vemos hoje
— Agora, as criptomoedas são mais do que apenas uma maneira de armazenar e transferir valor: a blockchain está alimentando uma incrível variedade de produtos que nos permitem interagir de novas maneiras

Você precisa aprender sobre a história das criptomoedas antes de ir para conceitos mais profundos! Ou seja, Bitcoin, mineração, transações na blockchain e assim por diante – é importante entender o contexto do surgimento das criptomoedas. Além de conhecer a linha do tempo, entender a história das criptomoedas e por que elas foram inicialmente criadas ajudará você a entender como as criptomoedas funcionam.

História das criptomoedas: princípios em comum

Apesar de o Bitcoin ser a primeira criptomoeda, ele não foi a primeira tentativa. Várias tentativas de moeda digital já haviam ocorrido, mas sem sucesso. Em 1998, o conceito já havia sido introduzido pelo engenheiro de computação Wei Dai através de um artigo no qual ele discutia a ideia de uma moeda digital. Nesse mesmo ano, outra tentativa foi elaborada pelo pioneiro em blockchain Nick Szabo.

O principal problema que a maioria dos protótipos de moedas digitais enfrentava era o problema do gasto duplo. Em suma, o gasto duplo é o equivalente digital da falsificação. E se você pudesse pegar sua nota de 100 reais, fazer 10 cópias e ficar com 1.000 reais? Isso quase não acontece porque o sistema financeiro tradicional o impede com órgãos de controle e regulação. Porém, quando se trata de moedas digitais, o desafio é garantir que um ativo digital seja usado apenas uma vez.

Vamos usar como exemplo ingressos eletrônicos para shows. Se o evento ao qual você deseja comparecer estiver esgotado, você ainda pode comprar seu ingresso de alguém que o tenha. Mas como você garante que o detentor venderá seu ingresso eletrônico apenas uma vez, já que cópias em PDF são fáceis de duplicar? Uma solução conveniente seria a TicketSwap. Em outras palavras, contar com um intermediário. Da mesma forma, a maioria das primeiras tentativas de criar dinheiro digital estava na verdade resolvendo esse problema cedendo controle a uma autoridade central.

Em 2008, Satoshi Nakamoto deu origem ao Bitcoin, a primeira moeda digital descentralizada bem sucedida. No contexto de uma crise econômica, ele conseguiu resolver o problema do gasto duplo sem sacrificar o princípio da descentralização.

2008: crise, Bitcoin e consequências

O ano de 2008 foi crítico para a infame crise financeira global de 2007-2008. E pode não ser coincidência que o Bitcoin tenha sido criado neste ano em particular. Mas ninguém nunca saberá com certeza. Sem entrar em detalhes de toda a linha do tempo (podemos deixar o filme A Grande Aposta cuidar disso), setembro é considerado o clímax da crise, depois que o banco americano Lehman Brothers faliu e a economia ficou muito perto do colapso total.

Naquela época, um white paper intitulado Bitcoin: um sistema de dinheiro eletrônico peer-to-peer foi publicado pelo misterioso pseudônimo Satoshi Nakamoto. Quatro meses depois, Satoshi Nakamoto criou o primeiro bloco da rede Bitcoin no dia 3 de janeiro de 2009, conhecido como “bloco gênesis”. Isso marca o início do Bitcoin e da blockchain. Dentro dos dados brutos deste bloco gênesis, Nakamoto incorporou uma mensagem secreta: “The Times 03/Jan/2009 Chancellor on brink of second bailout for banks“ (The Times 03/Jan/2009 Chanceler à beira de segundo resgate aos bancos). Na verdade, citando uma manchete de um artigo na edição do mesmo dia do The Times sobre o fracasso do governo britânico em reagir à crise financeira. Mesmo que Nakamoto nunca tenha comentado, a maioria acredita que o bloco gênesis e sua mensagem atuam como uma declaração.

Bloco Gênesis do Bitcoin

A mensagem foi bem clara. Assim como a visão de Satoshi sobre o Bitcoin e as criptomoedas em geral. Durante o curto período em que permaneceu ativo na comunidade, ele continuou compartilhando sua visão com as pessoas. Por exemplo, ele compartilhava explicitamente sua hostilidade em relação aos bancos centrais. Em sua opinião, eles não mereciam a confiança das pessoas como a crise financeira tinha acabado de provar. Além disso, ele estava convencido de que um sistema peer-to-peer devolveria às pessoas sua liberdade, especialmente contra os governos.

O legado de Satoshi: o início de um mercado de criptomoedas

Com o tempo, a criação do Bitcoin levou ao nascimento do mercado de criptomoedas que conhecemos hoje. Novos casos de uso surgiram, criptomoedas alternativas foram criadas, a popularidade do Bitcoin aumentou.

Primeiro, plataformas tiveram que ser criadas para compra e negociação de criptomoedas, também conhecidas como corretoras. Essas corretoras permitiram converter moedas fiduciárias em criptomoedas e vice-versa. Além disso, em fevereiro de 2010, a primeira compra usando Bitcoin foi feita quando o programador Lazslo Hanyecz o usou para pagar um pizza. Embora possa parecer anedótico, ele colocou um preço no Bitcoin pela primeira vez: duas pizzas por 10.000 BTC, equivalente a US$ 20 ao preço de mercado.

Dois anos após a criação do Bitcoin, muitas outras criptomoedas começaram a surgir. Algumas tinham novas regras inovadoras destinadas a experimentar possibilidades na blockchain ou melhorar recursos do Bitcoin. Mas poucas foram bem sucedidas, pois trouxeram pouca inovação técnica. Em 2015, a rede Ethereum foi lançada e rapidamente se tornou a segunda criptomoeda em termos de participação de mercado.

O mercado de criptomoedas atualmente abriga mais de 6.000 moedas digitais e continua em expansão. Aos poucos, as criptomoedas estão certamente se tornando globais. Grandes empresas demonstram um interesse crescente na blockchain e nas criptomoedas ao investir nelas. Mais lojas começaram a aceitar criptomoedas como forma de pagamento e reserva de valor. Criptoativos estão sendo usados como uma forma de captação de recursos. É até possível viajar pelo mundo com apenas criptomoedas na carteira!

Essa lista está se expandindo rapidamente, assim como os preços das criptomoedas. E isso é apenas o começo. Não se esqueça que há quatro anos, o preço do BTC estava abaixo de US$ 1.000! Neste universo em constante mudança, quanto mais você sabe, mais confiante você fica. E mais você está no controle. Então mantenha o ritmo!

Conhecimento é poder.

Então continue aprendendo! Se você gosta de aprender sobre criptomoedas e blockchain, confira nosso vídeo da School of Block sobre o melhor ano das criptomoedas até hoje!


Mantenha contato

Anúncios podem ser encontrados em nosso blog. Contato para a imprensa:
[email protected]