Como Manter Suas Criptomoedas Seguras?

Ler 4 min
Pontos Principais:
— A autocustódia é o que define a real propriedade de criptomoedas e exige que os proprietários gerenciem seus ativos mantendo-os em uma carteira

— Uma carteira de criptomoedas é uma interface que permite a você interagir com a rede blockchain e os ativos que você mantém nela

— Existem várias opções de carteira de criptomoedas, cada uma com prós e contras em termos de segurança, propriedade e conveniência

— Aqui discutimos os prós e contras de diferentes carteiras para que você possa decidir qual é a melhor para você.

Parabéns! Se você chegou até aqui, significa que você aprendeu o que é blockchain e criptomoedas. Agora, você entenderá que as chaves privadas são o elemento mais importante ao gerenciar moedas e tokens. Portanto, vamos lidar com a próxima questão: como manter suas chaves privadas seguras.

Você não pode possuir criptomoedas sem ter uma chave privada, e sua chave privada é o que controla suas criptomoedas. Portanto, é lógico que você precisará proteger sua chave privada e, para isso, precisará de uma carteira de criptomoedas.

Vamos começar do começo: o termo carteira de criptomoedas é um pouco confuso, porque a carteira não contém suas moedas e tokens. Em vez disso, ela contém suas chaves privadas, que você usa para gerenciar suas moedas. Vamos ver mais detalhadamente como isso funciona.

Como funcionam as carteiras de criptomoedas?

Uma carteira de criptomoedas tem duas funções: proteger suas chaves privadas e permitir que você interaja com a rede blockchain, onde seus ativos existem.

Pense em nossa analogia da caixa postal anterior: poderíamos dizer que a carteira de criptomoedas é na verdade a própria caixa postal, pois ela permite que você “interaja” com o serviço postal. Sem ela, você não poderia receber nenhuma carta. Além disso, ao instalar uma caixa postal na frente de sua casa, você cria automaticamente um endereço postal e uma caixa de cartas ativos, além de uma chave privada para desbloquear a caixa. O mesmo acontece com as carteiras de criptomoedas: ao criar uma carteira de criptomoedas, você gera automaticamente um conjunto de chaves públicas e privadas.

É importante entender que existem diferentes tipos de carteira de criptomoedas no mercado, com diferentes pontos fortes e fracos. Elas podem assumir várias formas: dispositivo físico, programa de software ou plataforma digital, mas todas podem ser classificadas segundo dois vetores diferentes: quem controla as chaves privadas geradas pela carteira e se a carteira está conectada à internet, ambas são questões essenciais quando se trata de avaliar a proteção que uma carteira oferece. Vamos explorar esses dois vetores abaixo.

Carteiras Custodiais vs de Autocustódia

A primeira coisa a considerar é se sua carteira é custodial ou não: em termos leigos, quem tem as chaves para o endereço na blockchain?

Como você já aprendeu na última seção, “sem chaves, sem moedas” é o mantra das criptomoedas. Porém, surpreendentemente, algumas carteiras (carteiras de corretoras, por exemplo) não dão a você o controle das chaves privadas do endereço na blockchain onde seus ativos estão. Em vez disso, elas próprias controlam as chaves, fornecendo a você um “login” para a plataforma delas.

O risco? Você está confiando seus ativos à infraestrutura de segurança delas. Se a corretora for hackeada, limitada ou fechada, suas moedas e tokens irão com ela. Apenas com um login e sem chaves privadas, você depende da plataforma para ter acesso e não pode simplesmente recuperar seus ativos sozinho. Isso não é propriedade verdadeira, algo que precisa ser levado em consideração quando você está pensando em como proteger suas moedas.

Com isso dito, vamos ver agora o outro vetor principal para a segurança de uma carteira: sua exposição à internet.

Carteiras quentes vs Carteiras frias

Quando falamos de carteira “quente”, estamos na verdade nos referindo a uma carteira que está conectada à internet. Isso pode significar carteiras software que existem em um dispositivo móvel, notebook ou computador desktop, ou mesmo carteiras em corretoras que, novamente, estão sempre conectadas à internet.

Há bons motivos pelos quais você pode usar uma carteira quente: interfaces fáceis de usar significam que você pode transferir e gerenciar facilmente seus criptoativos. Como você está sempre online, o processo é instantâneo, o que as torna muito atraentes para iniciantes. Mas também há desvantagens, que discutiremos abaixo.

Uma carteira fria, por outro lado, refere-se a objetos físicos (geralmente pequenos), como um dispositivo hardware, nos quais você pode armazenar sua chave privada. Ao contrário das carteiras quentes, elas operam em um ambiente offline enquanto garantem acesso aos seus fundos a qualquer momento.

Por serem totalmente offline, as carteiras frias proporcionam um maior nível de segurança. No entanto, elas são menos convenientes em termos de acessibilidade, pois você precisa conectá-las antes de poder gerenciar seus ativos.

Você pode estar se perguntando por que usaria uma carteira fria, dada a conveniência de usar uma interface que está sempre conectada à internet. Essa é uma boa pergunta.

A grande maioria das ameaças às suas criptomoedas existem online. Isso pode variar desde hackers enviando spyware para seu computador para encontrar seus dados privados, até um aplicativo de carteira malicioso sendo configurado para parecer verdadeiro a fim de obter acesso aos seus dados. Portanto, embora as carteiras quentes sejam o meio mais conveniente de proteger suas chaves privadas, elas estão sujeitas a algumas vulnerabilidades críticas que podem colocar suas criptomoedas em risco. Vamos ver isso agora.

Carteira quente vs Carteira fria

Foco: os prós e os contras

Além da dicotomia quente/fria, existem subcategorias de carteiras. Cada uma delas com prós e contras. Para guiar você em sua jornada de segurança cripto, vamos revisá-las rapidamente.

Carteiras Quentes

Carteiras online e de corretoras

São carteiras quentes acessíveis através de sites. Ambas são fáceis para iniciantes, pois oferecem conveniência. No entanto, como discutido anteriormente, elas não permitem que você possua suas chaves privadas, ou seja, seus criptoativos. E elas são propensas a sofrer hacks, ameaças online e ataques de vírus. Portanto, elas têm um nível mais baixo de segurança e limitam sua liberdade.

Carteiras Software

São carteiras quentes acessíveis por meio de um desktop ou aplicativo móvel dedicado. Embora sejam mais seguras do que as carteiras web, elas estão sob a ameaça de malwares e hacks.

As carteiras quentes são muito populares para usuários móveis e são muito convenientes para transferir pequenas quantias de criptomoedas. No entanto, os usuários nunca devem armazenar grandes quantias em carteiras quentes. Trate carteiras quentes como você trataria uma carteira física, onde você mantém apenas pequenas quantias de dinheiro.

Carteiras Frias

Carteiras hardware

São carteiras frias e a alternativa mais segura até o momento. As carteiras hardware são dispositivos físicos usados para armazenar sua chave privada em um ambiente criptografado e offline. Em suma, as carteiras hardware permitem que você execute todas as suas operações quando conectado ao seu computador ou celular, sem nunca deixar sua chave privada “à mostra”, na internet ou em seu dispositivo.

Portanto, suas chaves privadas permanecem seguras contra hacks online ou ameaças de vírus enquanto você gerencia ou transfere seus criptoativos. É por isso que as carteiras hardware não são vulneráveis a esses ciberataques, ao contrário de carteiras de corretoras e outras carteiras quentes.

Ao usar uma carteira hardware, você garante propriedade e controle total sobre seus ativos, pois você é a única pessoa no comando de seu dinheiro e possui suas chaves privadas. Não há terceiros envolvidos.

As carteiras hardware, como a Ledger, são o principal padrão de segurança. Usuários, corretoras e projetos preferem as carteiras hardware como suas soluções de armazenamento de criptoativos a longo prazo.

Carteiras de papel

Podemos dizer que este é o método da velha guarda: um pedaço de papel no qual você escreve suas chaves privadas. Sendo totalmente offline, elas também são muito seguras. Mas como você pode imaginar, elas são fáceis de perder e fáceis de danificar. Portanto, não são nada convenientes.

Quando o assunto é comparar diferentes carteiras de criptomoedas, existe um debate. No entanto, entre todos os critérios possíveis para julgar e iniciar a discussão, o único válido deve ser a segurança – muito mais que o preço, aparência ou conveniência. Essa não é apenas nossa visão como empresa de segurança de criptomoedas, mas também uma visão compartilhada pela comunidade.

Como você protegerá suas criptomoedas?

Para responder à pergunta “como manter meus criptoativos seguros”, a única resposta verdadeira é usando carteiras hardware. Embora elas não sejam tão facilmente acessíveis quanto as carteiras quentes, pois não estão diretamente conectados à sua internet ou desktop, elas são muito mais seguras do que as carteiras quentes por que não estão sujeitas a ameaças online e possuem interfaces que estão constantemente evoluindo para melhorar a experiência do usuário.

Certo. Agora que apresentamos o conceito de carteiras, vamos continuar lendo para descobrir qual é a melhor para você.

Conhecimento é Poder.

Começando em cripto? Parabéns! Você fez uma ótima escolha. Como você já sabe, as criptomoedas são descentralizadas. Então, o que acontece com elas se você morrer? Aqui está sua resposta. Obrigado, School of Block.


Mantenha contato

Acompanhe nosso blog para novidades. Contato de imprensa:
[email protected]